Desvantagens de deixar uma casa desabitada durante muito tempo

29 Agosto, 2020
Quando deixamos uma casa desabitada, podem aparecer todos os tipos de problemas. É hora de procurar soluções que não nos prejudiquem.
 

Provavelmente, teremos dúvidas sobre o que fazer com uma casa que está sem uso. Neste post, abordaremos algumas das desvantagens de deixar uma casa desabitada durante muito tempo, pois podem surgir vários problemas sem percebermos.

Muitas vezes, acreditamos que, deixando um espaço fechado durante um tempo, nada acontecerá dentro dele; no entanto, isso pode levar a todo tipo de dificuldade que, no fundo, pode nos prejudicar a longo prazo.

Primeiramente, devemos analisar os prós e os contras da situação, o que nos convém e que soluções podemos aplicar. É necessário que esse assunto não seja transformado em uma dor de cabeça e que ele não gere preocupações diárias.

A umidade em uma casa desabitada

casa desabitada

Um dos maiores problemas que enfrentamos é a umidade que pode aparecer em diferentes partes da casa. Tanto por causa das intempéries quanto pelas próprias avarias ou pelas dos vizinhos podem aparecer manchas, descascamento e odores desagradáveis.

Quando deixamos uma casa fechada, a tendência geral é verificar o seu estado de tempos em tempos, mas não semanalmente. De fato, existem pessoas que fazem apenas uma visita anual; este é um erro grave, pois todos os tipos de situações podem ocorrer nesse meio tempo.

 

A umidade pode afetar as paredes diretamente; portanto, se você tiver uma casa exposta a áreas com muito vento ou chuva, ou se já houve algum precedente de goteiras no teto, é necessário ficar atento e não demonstrar negligência ou abandono.

Se o estado da casa não for verificado regularmente, podemos encontrar surpresas desagradáveis.

Uma casa desabitada durante muito tempo também gera sujeira

As pessoas geralmente pensam que, se uma casa ficar fechada durante muito tempo, não haverá sujeira. Isso deve ser desmentido, uma vez que os espaços desabitados também ficam sujos e, além disso, permitem a entrada de animais. Vejamos três desvantagens em torno deste assunto:

  1. Encontraremos teias de aranha em todos os lugares. Sem dúvida, este é um sinal de abandono e falta de cuidado. É verdade que isso pode ser resolvido com uma limpeza geral, mas não deveríamos chegar a este ponto quando, na verdade, podemos impedi-lo desde o início.
  2. A sujeira e a poeira também têm um impacto significativo. Assim como pode aparecer a umidade, também há a incidência da poeira e alguns objetos decorativos que temos podem começar a perder o brilho e demonstrar certos sinais de abandono.
  3. Com o tempo, a tinta pode descascar, a madeira pode ficar carcomida e, através dos canos, os banheiros podem ficar obstruídos. Assim, a partir de diferentes aspectos, verifica-se que ficar sem uso é um sério problema para as casas.

Uma casa desabitada gera perdas financeiras

 
casa desabitada

Uma casa desabitada durante muito tempo atinge um grau de improdutividade; isto é, não extrairemos lucratividade dela e perderemos dinheiro. Antes de deixá-la desabitada, por que não pensar em uma solução que seja benéfica para nós?

Os impostos e taxas continuarão a existir; inclusive, também é preciso pagar pela manutenção da água e da eletricidade, mesmo que não estejam sendo consumidas. Se dermos uma olhada nas contas, a longo prazo, perceberemos como perdemos dinheiro.

Em vez de continuar mantendo algo improdutivo, seria melhor alugar o espaço. Esta é uma maneira viável de aproveitá-lo e obter uma renda extraAlém disso, evitaremos que a casa chegue a um ponto de negligência e abandono.

Uma casa fechada pode se tornar um custo financeiro adicional nas nossas vidas.

Possíveis problemas com os vizinhos

Embora possa não parecer, uma casa fechada pode ser um problema para os vizinhos. Primeiramente, porque não estaremos atentos às reuniões e ações acontecendo no bairro.

Muitas vezes, também podem surgir alguns inconvenientes, como vazamentos, canos quebrados, reparos, etc.

Em resumo, não contribuímos em nada para a boa convivência com os vizinhos. O que precisa ficar claro é que os maiores prejudicados nessa situação, basicamente, somos nós mesmos.

 

 

  • Heller, Andy; Frank, Scott: Invertir en vivienda, Barcelona, Gestión 2000, 2007.